Número de trabalhadores formais demitidos em março é o maior desde 2017

Brasília, quarta-feira, 24 de abril de 2019 - 17:37      |      Atualizado em: 25 de abril de 2019 - 14:31

DESEMPREGO

Número de trabalhadores formais demitidos em março é o maior desde 2017


Por: Ana Luiza Bitencourt

Dados do Caged indicam que mais de 43 mil brasileiros de carteira assinada perderam o emprego no mês passado. O Nordeste continua sendo a região que mais sofre.

Reprodução da Internet

O desemprego no mercado formal brasileiro aumentou em março deste ano. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quarta-feira (24) pela Secretaria de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, 43.196 trabalhadores que tinham carteira assinada foram dispensados no mês passado.

Este é o maior número de trabalhadores formais demitidos em março desde 2017, quando 63.624 perderam o emprego. O cenário é ainda pior quando o saldo é comparado ao mesmo mês de 2018, quando 56.151 foram contratados.

Os dados mostram quão falaciosos foram os argumentos usados por Michel Temer para a implementação da Reforma Trabalhista, que acabou com mais de 100 itens da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O líder dos comunistas na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA), lembrou que o dia 26 de abril marca os dois anos de aprovação da matéria pela Casa.

“Dizia-se que a reforma serviria para modernizar as relações de trabalho, gerar empregos, fazer a economia crescer e acabar com os conflitos trabalhistas. Tudo mentira. Hoje, são treze milhões de desempregados, 5 milhões de desalentados. A participação dos salários no PIB diminuiu. Os empregos que surgem são precários. A implementação da Reforma, na verdade, só produziu efeitos negativos”, disse. 

A pesquisa divulgada pelo Caged mostra que o Nordeste continua sendo a região mais atingida pela falta de uma política econômica de geração de emprego e renda. Quase 24 mil trabalhadores perderam o emprego na localidade. No Sudeste, foram 10.673 demitidos; no Norte, 5.341; no Sul, 1.748; e no Centro-Oeste, 1.706.

Atualmente, o Brasil acumula um total de 13,1 milhões de desempregados, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e a crise econômica não dá sinais de arrefecimento, com o próprio mercado reduzindo suas projeções para a retomada do crescimento.

Pela modalidade de trabalho intermitente, foram gerados 6.041 empregos, envolvendo 2.216 estabelecimentos e 1.720 empresas contratantes. Esse resultado representa um aumento de 2.842 mil empregos (88%) na comparação com março de 2018, quando o saldo foi de 3.199 mil empregos intermitentes.

Foram registradas ainda 7.085 admissões em regime de tempo parcial e 4.956 desligamentos, gerando um saldo positivo de 2.129 postos de trabalho. Ocorreram 18.777 desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado.


Com informações da CUT
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com