Comunistas condenam política de extermínio de Witzel

Brasília, segunda-feira, 23 de setembro de 2019 - 11:31      |      Atualizado em: 30 de setembro de 2019 - 11:36

SEGURANÇA

Comunistas condenam política de extermínio de Witzel


Por: Christiane Peres, com informações de agências

Ação policial no Complexo do Alemão, na última sexta-feira (20), fez uma nova vítima: uma criança de 8 anos chamada Ágatha Félix. Deputados do PCdoB lamentaram a morte de Ágatha e condenaram a política de segurança genocida do governo do Rio de Janeiro.

José Lucena / Futura Press / Estadão Conteúdo / CP
Protesto contra a morte de Ágatha Félix

Uma criança de oito anos é mais nova vítima da política de extermínio incentivada pelo governo do Rio de Janeiro. Ágatha Félix estava com a avó dentro de uma Kombi na comunidade da Fazendinha, no Complexo do Alemão, quando foi atingida pelas costas por uma bala de fuzil. Era sexta-feira (20), por volta das 22h. A menina não resistiu e morreu na madrugada de sábado (21).

O caso ganhou destaque na imprensa e nas redes sociais. A hashtag “A culpa é do Witzel” ficou em primeiro lugar no Twitter e estampou a capa do jornal O Dia.

Deputados do PCdoB lamentaram a morte de Ágatha e condenaram a política de segurança defendida pelo governador Wilson Witzel (PSC), a qual classificaram de “genocida”.

Crítica ferrenha das ações no estado, a líder da Minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), afirmou que Witzel deveria ser responsabilizado pelo genocídio no Rio de Janeiro.

“É a política do extermínio a todo custo e da vida humana na comunidade desprezada. Uma criança! Baleada nas costas, sem saber por que, com medo, numa Kombi. Todas as falas públicas do governador de incentivo à guerra devem responsabilizá-lo pelo genocídio no Rio”, afirmou a parlamentar.

Em outro tuíte, Jandira destacou a importância da luta para impedir a continuidade dos massacres no estado.
“Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas suficientemente fortes para impedir esse massacre”, pontuou.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) também se manifestou via Twitter. Para ele, Witzel pratica “uma política de segurança genocida” e “deve ser denunciado e pagar por seus crimes contra a humanidade”.

“O governador do Rio de Janeiro pratica uma política de segurança genocida. Não há outro nome quando forças policiais são instruídas a sobrevoar ou adentrar comunidades atirando antes de perguntar. Deve ser denunciado e pagar por seus crimes contra a Humanidade. Quando uma criança de 8 anos é morta a tiros pelo Estado todos nós morremos um pouco. É inumano não se condoer. Até quando?”, disse Orlando Silva que integra o grupo de trabalho que discute no Parlamento o pacote anticrime enviado pelo governo Bolsonaro e que continua, entre outros pontos, o abrandamento da punição a policiais e militares que cometam excessos no combate ao crime, também conhecido por excludente de ilicitude.

O assassinato de Ágatha, no entanto, pode colocar em xeque a aprovação deste ponto, que já conta com maioria contra. Os deputados entendem que o Código Penal já assegura respaldo à atuação dos agentes e que não há justificativa para flexibilizar a legislação atual. O texto deve ser votado esta semana.

Para o líder do PCdoB, deputado Daniel Almeida (BA), o excludente de ilicitude abre precedentes para que ações policiais sejam cada vez mais violentas. "Não podemos aceitar essa impunidade", afirmou.

Mais um indicativo de que a proposta defendida pelo governo pode subir no telhado foi a postagem do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), em sua conta nas redes sociais. Maia defendeu uma avaliação “muito cuidadosa e criteriosa sobre o excludente de ilicitude”.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) lembrou que Ágatha foi a 16ª criança vítima de violência armada no Rio de Janeiro só este ano e a quinta que não resistiu. “Quantos mais vão ter que morrer para que essa guerra acabe?”, questionou.

Em nota, no Twitter, a organização Anistia Internacional afirmou que o Estado deve assumir sua responsabilidade na proteção ao direito à vida, independentemente da raça e do local de moradia. A entidade fez ainda um alerta ao governador do Rio.

“Como autoridade máxima de segurança pública do estado do Rio de Janeiro, a responsabilidade do governador é prevenir e combater a violência com inteligência e levando em consideração que todas as vidas importam. E não deixar um rastro de vítimas que deveriam ser protegidas pelo Estado, como Ágatha e mais de mil pessoas mortas só este ano por agentes de segurança pública no Rio de Janeiro”, alertou.

De acordo com dados divulgados na última quinta-feira (19) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), 1249 pessoas foram mortas pela polícia no Rio de Janeiro, de janeiro a agosto deste ano. O número corresponde a uma alta de 16,2% nas mortes por intervenção de agentes do Estado em relação aos oito primeiros meses de 2018, uma média de cinco por dia.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com