Queda iminente

Brasília, quinta-feira, 27 de outubro de 2016 - 17:35      |      Atualizado em: 28 de outubro de 2016 - 14:18

PALAVRA DO LÍDER

Queda iminente


Por: Daniel Almeida

Álvaro Portugal/PCdoB na Câmara

Faz quase dois meses que o golpe institucional contra uma presidenta honesta se consolidou no Brasil. À medida que o tempo passa, fica claro o que a Bancada do PCdoB já alertava em abril, quando foi aprovado o impeachment contra Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados. Sem respaldo popular, o ilegítimo Michel Temer (PMDB) agrava as crises política e econômica do país. Está longe de ser uma “salvação nacional”.

As investigações da Operação Lava Jato avançam e chegam cada vez mais próximo do Palácio do Planalto. O temor de Temer se exacerbou e veio a público no dia em que se prendeu o comandante da derrubada de Dilma, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que ameaça entregar os comparsas. Vale lembrar que Cunha é réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas em razão de desvios na Petrobras. Apavorado, o presidente golpista que estava em viagem ao Exterior antecipou a volta ao Brasil.

Enredado em um mar de denúncias de corrupção, Temer vacila e não consegue se afirmar plenamente em seu projeto de desmonte do Estado brasileiro. Além de sua base aliada estar comprometida com fatos da Lava Jato, o próprio presidente e os principais auxiliares podem a qualquer momento ser diretamente alvo de delatores. Existe uma expectativa real de que Temer não resistirá a esse maremoto político previsto.

Paralelamente, o peemedebista patina ao enfrentar uma crise entre os poderes, situação agravada com a briga entre o Senado e o Judiciário. Vive em situação desconfortável. Personalidades se afastam e não querem ser vistas em público com ele.

Nos olhos do povo, a resistência cresce. Medidas como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 241/16), que congela por 20 anos investimentos em áreas cruciais, como assistência social, educação, saúde e segurança, geram uma onda de insatisfação até mesmo entre defensores do impeachment. As ocupações de escolas e universidades se alastram: já são 1.210 unidades ocupadas.

Aliados que incentivaram a ruptura democrática já trabalham com possíveis nomes para uma eleição indireta à Presidência da República a ser realizada pelo Congresso Nacional em 2017. O que é inaceitável. Temos de rejeitar velhas fórmulas e devolver aos brasileiros o direito de decidir o futuro do país.

É urgente reforçarmos a mobilização em torno de um amplo pacto de forças em defesa da democracia. Por meio de plebiscito, a população deve ser consultada sobre antecipar ou não as eleições presidenciais. A queda de Temer é iminente, mas quem deve decidir o destino da nação é povo. Basta de golpes!

*Deputado federal pela Bahia e líder do PCdoB na Câmara. 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com