Reforma política sem golpe!

Brasília, sexta-feira, 14 de outubro de 2016 - 13:3      |      Atualizado em: 17 de outubro de 2016 - 10:47

PALAVRA DO LÍDER

Reforma política sem golpe!


Por: Daniel Almeida

  

A ofensiva golpista se espalha pelo Congresso com o objetivo de sustentar a qualquer custo o presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB) e seu governo sem voto popular. A próxima iniciativa reacionária é a tentativa de uma reforma política excludente para eliminar vozes dissonantes no jogo democrático.

Em 9 de novembro, o Senado deve levar à votação uma proposta de emenda à Constituição com cláusula de barreira e o fim das coligações proporcionais. Isso restringe o direito de os cidadãos terem ampla representação no Legislativo.

O texto em tramitação no Senado determina que o partido que não atingir resultados eleitorais mínimos perde o funcionamento parlamentar. Nesse caso, a legenda seria obrigada a ter uma estrutura menor na Câmara, sem direito a cargos de liderança, deputados em comissões permanentes e cargos na Mesa Diretora. Os partidos também perderiam direito ao fundo partidário e ao tempo gratuito de televisão e rádio.

A reforma política proposta não resolve os problemas da política brasileira. Extinguir legendas pequenas e partidos históricos não acaba com os corruptos. O Supremo Tribunal Federal (STF) já se manifestou dizendo que a cláusula de barreira é inconstitucional, porque restringe a possibilidade de todas as correntes políticas disputarem o voto do eleitor, ferindo direitos como o da livre organização partidária.

Por outro lado, o fim das coligações é uma agressão ao livre direito de associação. Se associa quem quer. Por que impedir? Por que não se faz então uma lista pré-ordenada para que o eleitor vote no programa do partido? Assim, o cidadão poderá debater as ideias partidárias e cobrará do eleito aquilo que foi proposto na campanha.

Nos últimos anos, foram feitas inúmeras mudanças pontuais na legislação. Mas, na verdade, o Brasil precisa de uma reforma profunda que transforme efetivamente o sistema político. Após garantirmos o fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais, a Bancada do PCdoB reforça a defesa do financiamento 100% público para assegurar maior igualdade de condições entre os candidatos e menos práticas espúrias na política. Esse deve ser o foco e não a penalização de partidos pequenos que colaboram na diversidade de opiniões, oxigenando o debate democrático.

A sociedade precisa entender que a democracia tem um custo. O financiamento público, como única fonte, facilita a fiscalização, fortalece os partidos e o pluralismo político. O recurso seria distribuído às siglas, conforme seu tamanho e quantidade de voto. O custo de outros modelos – doação de empresas e pessoa física – é a corrupção, prejuízo elevado para todos. Por isso, é hora de lutarmos por uma reforma política ampla sem golpe!

*Deputado federal pela Bahia e líder do PCdoB na Câmara.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com