Desinvestimento na Petrobras aumenta desemprego

Brasília, terça-feira, 10 de abril de 2018 - 14:3

PETROBRAS

Desinvestimento na Petrobras aumenta desemprego


Por: Ana Luiza Bitencourt

Comissão geral proposta pelo deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) debateu o impacto do encerramento das atividades da Fafen na indústria nacional e as consequências para a região Nordeste.

Richard Silva/PCdoB na Câmara

A realização de uma comissão geral na manhã desta terça-feira (10) marcou nova fase de debates sobre o planejamento estratégico da Petrobras e as consequências da falta de investimento na estatal. O fechamento das unidades da fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Bahia e Sergipe (Fafen) serviu como gatilho para a discussão.

Em 19 de março, a Petrobras anunciou a desativação da companhia, a ser concretizada até o final do primeiro semestre de 2018, alegando a necessidade de uma parada de produção da atividade industrial. Os deputados Daniel Almeida (PCdoB) e Caetano (PT), ambos da Bahia, foram os requerentes da comissão. Para o parlamentar comunista, o debate é imprescindível graças à relevância do tema.

“O assunto não é restrito à Bahia, ao Sergipe e ao Nordeste; é de interesse nacional e tem identidade profunda com a visão sobre a indústria química, o setor petrolífero, a produção de fertilizantes e o agronegócio. É de caráter estratégico. A política anunciada não corresponde à tradição da estatal nem à lógica do setor mundial. Isso serve a quem? Eles visam apenas o caixa. E os interesses do Brasil? É muito desmonte em pouco tempo, que precisa ser detido”, defendeu Almeida.

Como se não bastasse prejudicar a política industrial, a medida ainda traz desemprego em massa e instabilidade à região Nordeste. Mais de 5 mil trabalhadores da empresa perderiam seu ganha-pão, além de outros 20 mil empregados que seriam perdidos por estarem vinculado a companhias parceiras da Fafen. 

O presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Fernando Figueiredo, apresentou os números e defendeu que o impacto é generalizado. “A decisão foi tomada sem consultar o mercado ou os clientes. Se a cadeia de empresários é prejudicada, eles têm alternativas: é importar. Mas o que acontece com os profissionais que perderão seus empregos? Eles são quem realmente sente na pele”, disse.

Radiovaldo Costa, diretor do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro) da Bahia, destaca que é preciso debater intensamente não só a Fafen, mas o papel da Petrobras enquanto empresa pública, que contribuiu historicamente para o crescimento de todas as regiões. Para ele, é preciso defender emprego, trabalhadores, interesses locais e a soberania nacional.

“O Brasil tem uma dívida histórica com o Nordeste, que é pobre no ponto de vista de distribuição de renda. A estatal conseguiu contribuir bastante, fazendo investimentos importantes na região. A empresa está agora operando na lógica dos acionistas, na lógica do mercado, mas ela é pública e tem seu papel estratégico a cumprir”, pontuou.

A questão da arrecadação tributária também não pode ser deixada de lado. Segundo as projeções apresentadas pelos parlamentares e pelos participantes do debate, mais de R$1 bilhão e meio deixarão de ser arrecadados em impostos na Bahia e no Sergipe, estados que têm dificuldade de manter a estabilidade fiscal.

Para o deputado Caetano, coautor do requerimento para a realização do debate, a postura do governo é claramente entreguista. “A amônia e a ureia produzidas em solo nacional, por exemplo, representam somente 15% do mercado. 85% é proveniente de multinacionais da China, Rússia e Ucrânia. Não seria mais correto ampliar a produção e as plantas para que o Brasil possa ocupar o mercado? Eles querem entregar o restante para que os estrangeiros atinjam os 100%. É preciso buscar saídas para baratear o custo de produção para ser competitivos e incentivar o mercado nacional”.

Ainda que líder do governo no Congresso, o deputado André Moura (PSC-SE) também é contrário ao fechamento das fábricas e expressou seu empenho em barrar a ação. O parlamentar afirmou que um grupo integrado por deputados da Bahia e do Sergipe, por representantes dos governos dos dois estados, por trabalhadores e pela Petrobras está debatendo soluções.

“Esquecendo” do papel e da relevância que uma estatal tem para a soberania nacional, Kim Kataguiri, do Movimento Brasil Livre (MBL), defendeu que a prioridade de um governo não deve ser a produção de óleo, gás e fertilizantes. Kataguiri deu a entender que a solução para todos os problemas é um Estado fraco, mínimo e que a privatização de todos os setores é a garantia para o sucesso da nação. 

Pois Deyvid Bacelar, diretor jurídico da Federação Única dos Petroleiros (FUP), participou do debate e salientou que a Vale, após privatizada, promoveu o maior desastre ambiental do país e que, com a privatização no setor de telecomunicações, as tarifas foram elevadas e a qualidade do serviço é ruim. Ele lembrou, ainda, que a quebra do monopólio estatal da Petrobras já ocorreu, em 1997, e disse que hoje o setor sofre nova pressão privatista, principalmente dos Estados Unidos.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com