Deputados e eletricitários articulam segunda grande derrota de Temer

Brasília, quarta-feira, 11 de abril de 2018 - 16:14

ELETROBRAS

Deputados e eletricitários articulam segunda grande derrota de Temer


Por: Christiane Peres

PCdoB defende que a tentativa de Temer de privatizar a Eletrobras será a nova derrota de Temer no Parlamento.

Richard Silva/PCdoB na Câmara

A privatização da Eletrobras é a nova “menina dos olhos” do governo Temer. No entanto, assim como ocorreu com a Reforma da Previdência (PEC 287/16), a proposta pode subir no telhado e ficar marcada como a segunda grande derrota do presidente ilegítimo no Congresso. Se depender das articulações de parlamentares (inclusive alguns da base aliada) e dos eletricitários, a derrota de Temer é certa e não demorará para ser concretizada.

Em um ato na Câmara nesta quarta-feira (11), deputados de diferentes partidos se alternaram na defesa da Eletrobras e reforçaram a importância do empenho da categoria na luta contra as propostas que tramitam na Câmara e no Senado.

“Há um conluio em defesa do Estado mínimo. Mas também não queremos o Estado máximo, queremos apenas o Estado necessário para impulsionar o desenvolvimento nacional e promover o bem-estar da população. Este é um setor estratégico e não podemos permitir sua privatização”, disse a presidente nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE).

A parlamentar, que é membro da comissão especial da Câmara que analisa do projeto de privatização da Eletrobras, lembrou que a obstrução que tem sido feita no colegiado está surtindo efeito. “Esse é um tema que une Oposição e deputados da base. Já fizemos cinco reuniões na comissão especial onde nada se votou, nem requerimentos, nem plano de trabalho. É verdade que estamos diante de um golpe de Estado e essa privatização faz parte dessa agenda, mas vamos derrotar essa proposta assim como derrotamos a Reforma da Previdência, impondo mais uma derrota na agenda do golpista”, afirmou Luciana.

O deputado Glauber Braga (PSol-RJ) reforçou a importância da mobilização do setor e da pressão que já vem sendo feita nos parlamentares. Braga citou a última reunião da comissão especial, realizada na terça-feira (10), onde após quase cinco horas de debates, mais uma vez, nada foi votado.

“Vocês são essenciais nessa batalha e precisamos manter esse trabalho de articulação que vocês vêm fazendo. Essa foi a quinta tentativa nos últimos 20 dias de discutir um plano de trabalho para a comissão. Três sessões não tiveram quórum suficiente para serem abertas e nas outras duas nada foi deliberado. Não vamos deixar esse governo implementar o programa Vela para Todos”, disse o deputado.

Mobilização

Fabíola Latino, do Sindicato dos Urbanitários no Distrito Federal (Stiu-DF), fez um histórico das ações que a categoria tem encampado para impedir a entrega do setor elétrico no país. Além da articulação no Parlamento, a sindicalista elencou várias campanhas, reuniões, audiências públicas. Segundo ela, a virada no jogo foi demonstrar à população o aumento na conta de luz.

O argumento foi reforçado pela deputada Jô Moraes (PCdoB-MG). Para ela, a eficácia da campanha contra a privatização da estatal passa pela mobilização popular. “Precisamos reforçar na sociedade os efeitos negativos dessa privatização. A conta vai subir e é o povo que acabar pagando por isso”, destacou.

MP 814

Prova de que a conta sempre pende para o lado mais fraco é a mudança proposta no texto da Medida Provisória 814/17, que prevê a venda das distribuidoras controladas pela Eletrobras. Uma das emendas apresentadas pelo relator da matéria, deputado Júlio Lopes (PP-RJ), prevê a transferência para os consumidores de um aumento nos custos com a compra de gás natural por usinas térmicas contratadas às vésperas do racionamento de energia no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A medida pode acarretar num “tarifaço” - especialmente na região Nordeste.

Isso porque, o Programa Prioritário de Termelétricas (PPT), criado em 2000, foi responsável pela construção de 21 usinas que somam em torno de 8,8 mil megawatts (MW) de potência instalada. A Petrobras garantia o fornecimento de gás. No entanto, o preço definido em contrato - US$ 4 por milhão de BTU (unidade de referência do setor) - ficou defasado. Com isso, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) já enfrenta restrições para acionar essas térmicas. Uma delas, a Termofortaleza, no Ceará, ficou quase quatro meses sem operar devido à falta de gás, pois para a Petrobras, ficou mais barato pagar multas contratuais do que fornecer o insumo por um valor muito baixo.

A emenda de Júlio Lopes diz que a diferença entre os preços inicialmente pactuados e o "preço médio de mercado do gás natural praticado no país" - hoje em torno de US$ 7 - será arcada pelos consumidores de energia por meio do Encargo de Serviços do Sistema (ESS). O sistema de equalização valeria até 2024, quando termina o programa emergencial introduzido na gestão FHC.

“O impacto para os consumidores é bilionário e pode representar um aumento de 2 a 3% nas tarifas”, afirmou o ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Edvaldo Alves Santana ao jornal Valor Econômico.

Júlio Lopes pretende apresentar seu relatório até a próxima terça-feira (17). No entanto, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), vice-líder da Minoria e membro da comissão mista que analisa a MP 814 no Senado, acredita que é possível barrar a medida. “Precisamos tentar reconstruir a agenda desse país. Um país sem energia, sem logística não existe. Por isso, precisamos manter as mobilizações contra essa pauta de Temer”, disse.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com