Demissão de Levy é novo componente da usina de crise

Brasília, segunda-feira, 17 de junho de 2019 - 11:44      |      Atualizado em: 25 de junho de 2019 - 18:13

POLÍTICA

Demissão de Levy é novo componente da usina de crise


Por: Portal Vermelho

Para parlamentares comunistas, a crise no governo Bolsonaro vai se intensificando com o passar dos dias.

Reprodução da Internet

O pedido de demissão da presidência do BNDES de Joaquim Levy é mais um ingrediente da chamada usina de crise do governo Bolsonaro que só cresce em meio ao vazamento de conversas pouco republicanas entre o então juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça, e o procurador Deltan Dellagnol.

No final de semana, Bolsonaro atacou Levy cobrando que ele demitisse Marcos Barbosa Pinto da diretoria de mercados e capitais do banco por este ter servido ao governo do PT. Analistas enxergam na demissão o dedo da ala ideológica do governo, comandada pelo astrólogo Olavo de Carvalho.

“Generais sendo humilhados e demitidos, Chicago Boys pedindo o penico (...) Até o fim do ano ficam só Bozo, Olavo Napoleão de Hospício e Carluxo Camisa de Força”, ironizou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

A líder da Minoria na Câmara dos Deputados, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), também usou um tom de ironia sobre o caso: “Pois é, Senhor Levy. Não há governo que te queira. Nem o ‘neoliberalismo da carochinha’ do Bolsonaro. Que fim cruel”.

Segundo a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), nos últimos três dias, Bolsonaro enquadrou militares, demitiu dois generais, um deles, o Santos Cruz, e o General Heleno, batendo na mesa, atacou Lula, talvez temendo o mesmo destino de seus pares de patente.

“Em café da manhã na sexta, o capitão-presidente atacou o Supremo, e ontem, ameaçou demitir Levy do BNDES, que acabou de se demitir no domingo, bem cedo. O eleito gera agora um grave conflito com o mercado e enfraquece, o irascível, Guedes (Paulo, ministro da Economia). A greve geral do dia 14 de junho levou importantes contingentes às ruas e mostrou o inconformismo dos trabalhadores com essa reforma da previdência, de caráter fiscalista e cruel com os mais pobres”, analisou Alice.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com