Governo tenta impedir votação do Fundeb

Brasília, terça-feira, 21 de julho de 2020 - 16:32

EDUCAÇÃO

Governo tenta impedir votação do Fundeb


Por: Christiane Peres

Deputados da Oposição denunciam manobra de governistas para barrar aprovação do novo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Michel Jesus/Câmara dos Deputados

A principal pauta de votação desta terça-feira (21) na Câmara corre o risco de não avançar. Isso porque deputados governistas estão tentando impedir a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15/15, que estabelece o novo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). A tentativa de boicote foi denunciada pelos parlamentares da Oposição no início da sessão.

“Quando eu olho para este Plenário, penso que já podíamos estar aqui com a presença de mais de 500 parlamentares. Mas há toda uma articulação de alguns partidos que servem ao governo Bolsonaro de fazer uma obstrução aqui hoje. O governo Bolsonaro não pode se utilizar do Fundeb para prejudicar a educação brasileira. A pauta da educação é uma das mais justas, é um dos programas sociais mais bonitos, porque inclui as pessoas. Se o governo Bolsonaro está mesmo preocupado com a educação, peça à sua base que retire a obstrução que acabou de colocar. Podemos fazer um debate aberto na defesa da educação”, afirmou a líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC).

O Fundeb, caso não seja aprovado este ano, será encerrado e coloca em xeque a educação básica do país. No entanto, por não concordar com os termos do relatório da Professora Dorinha Seabra (DEM-TO), o governo vem tentando, mais uma vez, impedir a votação do texto uma vez que sua contraproposta não vingou. No fim de semana, às vésperas do início da discussão da matéria na Câmara, o governo Bolsonaro enviou um texto propondo que o programa entrasse em vigor apenas em 2022, deixando 2021 sem recurso. A proposta foi prontamente rechaçada pelos deputados e entidades ligadas à educação e gerou nova reação da base governista.

“Infelizmente, há um "kit obstrução" na Casa, um retardamento para que se atinja o quórum, a fim de que a sessão comece. E, diferentemente, do que alguns deputados da base do governo têm dito, o governo, de fato, tentou destruir a proposta do Fundeb, tentando dividir esse dinheiro para aplicar em política de assistência, quando tem recursos para fazê-lo — e nós sabemos disso. Solicitamos que haja quórum, para que nós possamos cumprir a votação, na íntegra, do relatório da Deputada Dorinha, que é fruto da atuação de muitos e muitos parlamentares que atuam na área da educação, nas entidades da educação. Queremos manter a vinculação com os trabalhadores da educação em 70% e 30%. Queremos manter o Custo-Aluno Qualidade (CAQ). Nós queremos manter a íntegra do relatório para facilitar a educação brasileira, que, junto com a cultura, de fato, faremos valer políticas estratégicas e estruturais da cidadania brasileira”, defendeu a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Para a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), a tentativa de obstrução é a prova de que Bolsonaro elegeu a educação seu principal alvo de ataque. “Depois de cortar orçamentos e acabar com programas, agora o objetivo é acabar com o Fundeb. Um absurdo! Precisamos aprovar o relatório integral do novo Fundeb, sem destaques. Não vamos aceitar as mudanças que o governo Bolsonaro quer fazer”, pontuou.

O vice-líder da bancada do PCdoB, deputado Márcio Jerry (MA), também criticou a postura dos governistas. Para ele, impedir o avanço do novo Fundeb “é uma agressão ao Brasil, a todos os estudantes e educadores”.

“É absolutamente incompreensível, pelo grau de descompromisso que isso mostra com uma política pública tão necessária como a educação, que se cogite fazer obstrução. É absolutamente inaceitável o que o governo está fazendo. É importante que esta Casa reflita bem. O Brasil inteiro neste momento está observando a nossa atuação na expectativa cidadã de que nós possamos dar hoje uma demonstração de compromisso absoluto e efetivo com a educação brasileira. Precisamos votar o Fundeb já”, defendeu o parlamentar.

A sessão, marcada para o início da tarde desta terça, teve seu início adiado e depois chegou a ser suspensa por falta de quórum.

Há cinco anos em tramitação no Parlamento, a proposta inscreve o fundo na Constituição Federal e aumenta, de forma escalonada, de 10% para 20% a complementação da União para o fundo. Essa participação do governo deixará de beneficiar apenas nove estados e passará a alcançar 23 estados.

“A aprovação do Fundeb permanente é fundamental para a garantia de pagamento de professores, infraestrutura nas escolas e planejamento para que a educação brasileira avance. Sem escola, não há desenvolvimento. Na sala de aula é que se faz uma nação”, afirmou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

Já o deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE) lembrou ainda que o Fundeb “é o principal instrumento de financiamento da educação básica no Brasil” e caso não seja renovado levará ao colapso da educação.

“É um modelo que funciona e precisamos coloca-lo na Constituição Federal. Ele se encerra em dezembro, se não for renovado haverá um colapso, um verdadeiro apagão na educação. O governo tenta impedir, pois é contra a aprovação do novo Fundeb. Chegou ao absurdo de propor que só volte em 2022, deixando 2021 num buraco. Precisamos garantir o futuro dos alunos e o desenvolvimento do nosso país”, afirmou.
 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com